Insônia.

14 maio 2015

Estou aqui mais uma vez. Folha em branco, madrugada, coração apertado, cabeça quente, frio, cobertor, chá. E assim, começo mais um texto sem sentido. Cada dia que passa torna-se mais difícil escrever sobre mim, sobre meus sentimentos, ou até mesmo sobre outras coisas. É complicado viver em uma confusão de sentimentos. Quantas preocupações me tiram o sono toda noite. Ando dormindo muito pouco, me sinto esgotada, cansada.
Quando era pequena, sonhava com a vida adulta, mas não sabia que seria tão difícil. Gostaria de voltar ao passado, poder viver meus momentos puros, sem preocupações. A vida é tão corrida. A sobrevivência chega a ser cruel.
Viver em mundo onde as pessoas não possuem mais tempo para sorrir, é horrível. Vejo uma correria ao amanhecer. Quando anoitece as pessoas só querem dormir, pois o dia foi cansativo. Não há tempo para boas histórias, sorrisos sinceros.
É incrível como as pessoas criam expectativas. Elas esperam demais de você, e quando não são correspondidas as suas expectativas, se afetam. Queria poder parar o tempo. Pausar a correria do dia a dia, para ter mais tempo para viver. Gostaria de ouvir o som dos pássaros sem o barulho dos carros. Ouvir gargalhadas sem ouvir o choro de uma criança. Queria poder ver o mundo de uma forma diferente do que ele é. Me perco em livros de fantasias, talvez, porque sou muito irrealista. Gosto de coisas que não existem. Sou profunda demais para essa vidinha.
Por que é tão difícil deitar a cabeça no travesseiro e não pensar em nada, apenas dormir? É incrível. Eu deito e os pensamentos me perturbam. Então, vem as preocupações. Fico pensando em como será o amanhã. Será que conseguirei entrar pra faculdade? Será que vou arrumar um emprego? O que vou fazer para pagar minhas dividas. Será que serei feliz? São tantos pensamentos. Vivo em uma tormenta. Por favor, coração. Se acalme. Deixa Deus cuidar de tudo. Por favor, cérebro, pense em coisas boas, não me deixe louca. Só quero poder deitar e dormir em paz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário